Dicas de saúde

Translucência Nucal: cuidados com a saúde do bebê ainda na barriga da mãe

Exame indispensável para saber como anda a saúde do seu bebê.

Text_2

Uma das primeiras sensações de uma mulher que deseja ter um filho e descobre que está grávida é uma felicidade imensa que irradia para todos os lados. Após a euforia inicial, é natural surgir uma preocupação com a saúde do futuro bebê.

“Será que está tudo bem com o meu filho?”
“Será que ele está se desenvolvendo normalmente dentro da barriga e com saúde?”.

Para saciar essa expectativa da futura mamãe, há alguns exames que são feitos por especialistas durante toda a gestação que podem dizer se está ou não tudo bem com o bebê em desenvolvimento. Um desses importantes exames é a avaliação da Translucência Nucal (TN).

A Translucência Nucal é medida durante a ultrassonografia realizada entre a 11a e 13a semana de gestação. A ultrassonografia geralmente é abdominal, mas com auxílio da ultrassonografia transvaginal excelentes imagens podem ser realizadas e possibilitar uma melhor avaliação da anatomia fetal já no primeiro trimestre.

O acúmulo excessivo de líquido na região da nuca do feto aumenta o risco do bebê ter uma alteração cromossômica, alguma anormalidade anatômica (incluindo as malformações cardíacas) ou alguma síndrome genética.

Vale ressaltar que a TN não faz o diagnóstico, isto é, não oferece certeza absoluta, mas revela um risco daquele feto que está com acúmulo de líquido na região da nuca apresentar alguma alteração. Lembre-se que fazer um diagnóstico de alguma alteração precoce é fundamental para a realização de um tratamento o mais breve possível.

Com a finalidade de aumentar a certeza da ausência ou presença de uma alteração genética, países industrializados indicam a associação do exame ecográfico com a dosagem bioquímica de dois hormônios no sangue da mãe. Este exame também chamado de Perfil Bioquímico Materno consiste na análise de dois exames colhidos no sangue da mãe: a proteína plasmática A associada à gestação (PAPP-A) e a Fração livre do beta hCG (free beta-hCG). Avaliando em conjunto com a ultrassonografia morfológica do primeiro trimestre, o exame melhora a taxa de detecção de Síndromes genéticas, incluindo Síndrome de Down, Edwards e Patau.

A avaliação utilizando esta tecnologia apresenta resultados normais em 95 a 99% das vezes, tranquilizando a gestante e possibilitando um pré-natal sem ansiedade. O exame alterado (1% das vezes) não significa necessariamente que o feto apresenta alguma doença genética, mas indica que outros exames invasivos devem ser realizados

Exames para o público

A Colégio Real de Obstétricia e Ginecologia, o Instituto de Saúde Americanos e o Congresso Americano de Obstetras e Ginecologistas recomendam que a Translucência Nucal seja realizada em conjunto com o Perfil Bioquímico (PAPP-A e b-hCG) como rotina no pré-natal em todas as gestações. Infelizmente, no Brasil apenas poucos centros oferecem este exame.

Para realizar a dosagem bioquímica, a gestante não precisa de nenhuma preparação prévia para a realização do exame. Será coletado 5 ml de sangue (não sendo necessário jejum prévio), o sangue é centrifugado e colocado no máquina automatizada que processa o sangue e avalia a concentração dos hormônios.

Ao termino do processamento, é utilizado um programa de computador que calcula o risco da gestação ser acometida por cromossomopatia. A idade gestacional ideal para a realização é a mesma da TN, ou seja, entre a 11a e 14a semana.

Dicas

A Translucência Nucal também proporciona verificar com mais precisão a idade gestacional da mulher, facilitando o acompanhamento do crescimento fetal. O perfil bioquímico permite uma avaliação com maior certeza de um resultado normal.

Caso a TN esteja aumentada, não tenha medo e pergunte tudo o que lhe passar pela cabeça na consulta médica. Quanto mais conhecer o seu bebê, melhor vai poder cuidar da vida que está crescendo dentro de você.

Você também pode ver mais Dicas de saúde:

todas as dicas de saúde